sexta-feira, 6 de outubro de 2006

«Cavaleiro andante»

Caminho por entre trilhos que me arrepiam,
faço a devoção de uma contemplação
encontro-me de novo no horizonte
distante dos teus olhos, da tua respiração

Abro portas e janelas
Sinto a brisa do mar...
Transformo os espinhos em limalhas
cedo, perdendo-me no teu olhar

Marco momentos no calendário
esperando por alguma razão
que o cavaleiro andante e solitário
consiga por fim encontrar... a tua mão!

2 comentários:

c@r@nGo disse...

Sim,sim...mensagem tipica de quem navega num oceano buscando a sereia que nele caiu,depois de a termos dentro do nosso barco e nas nossas maos....
As sereias tem uma particularidade...Quando menos esperamos elas partem.... precisam de nadar e descobrir outros oceanos...

maria disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.