terça-feira, 22 de janeiro de 2008

«Tac, Tac, Tac»

Espero os teus passos de silêncio
De um vazio, entorpecido e sombreado
Das quebras de linha acinzentadas
O pó entreposto, amedrontado.

(Foto: Julia Kan)

7 comentários:

* disse...

fica-te mesmo bem a poesia. e esta é tão ténue, tão frágil, tão silenciosa. comovente.

verdades_e_poesia disse...

Oh que bom que gostas Estrelinha. Obrigado. É bom ter este feed-back de álguém como tu... Beijos

* disse...

gosto muito. quando ao resto fico de bochechas gordas de sorriso. obrigada, gentil. beijinho.
escreve muito.

Maria del Sol disse...

A estrelinha deixou umas palavras que faço minhas. E o teu poema tem pó de estrelas. Por isso é sempre um prazer voltar cá :)

dona disse...

amei.

verdades_e_poesia disse...

Deixa-me tão feliz ver-te por aqui Marisol! E saber que gostas de algo que escrevo enaltece-me a vaidade maior de te continuar a ver neste meu espaço. Beijo grande! ;)

verdades_e_poesia disse...

Que bom dona. Sinto-me feliz por o dizeres assim. *