segunda-feira, 16 de abril de 2007

«Lírio que não és»


Tu não pensaste como eu pensei
Tu não sonhaste mesmo nada
Daquilo que um dia planeei
Tu não esperaste mesmo nada.

Tu que um lírio belo me pareces
Agora sei que não é assim
Por nunca atenderes as minhas preces
Fico pasmo, de terror ao pé de mim.

1 comentário:

Gi disse...

Muito intenso!Jinhos