sexta-feira, 18 de abril de 2008

«Sílabas omissas»

Ficaram tantas coisas por dizer esta manhã
Circundei o espaço vazio ali da esquina
Decalquei os detalhes azuis-claros do vestido, com pintas pretas
Que sonhei por momentos, serem cometas

Levaram-me em passeio sobranceiro
E nesses lugares adivinhados, degustados
Quebrei a mácula do teu ser
E vagueei, como tal, o dia inteiro

Permanecendo enjaulado na vaga de estrelas
Atiradas como cachos...

Foto: Autor desconhecido

4 comentários:

* disse...

gosto tanto de te ler. tem que ser tão bom conseguir escrever assim, deixar sair.

un dress disse...

su b ir

v e r t i c a l


m

e

n

t

e

~





beijO

Simplicitas disse...

Se sonhaste mesmo que por momentos serem cometas, se calhar eram... vagueia-se sim pelos sonhos, mas pelo menos aí, prisioneiros ou não, nada pode ficar por dizer...

E que poema lindo!:)

Bjinhos

verdades_e_poesia disse...

Estrelinha

Também gosto dos teus comentários aqui. Sempre encorajadores e pertinentes. Beijo

-------

Un dress

Verticalmente e com verticalidade... Gosto imenso de te ver por aqui. Beijos

-------
Simplicitas


Sabe bem este teu comentário, porque de facto, uma leitora com as tuas qualidades dizer isto é um elogio e um sinal de que se calhar devo continuar a escrever... Beijocas